­
telefone
239 087 720
Carrinho vazio
Memórias – Visconde de Vila Maior – Júlio Máximo de Oliveira Pimentel | Indisponível
Fora de Coleção - História
Género História
Ano 2014
ISBN 978-989-703-118-2
Idioma Português
Formato brochura | 268 páginas | 16 x 23 cm
Preço base com taxas
Preço Venda17,00 €
Descrição

O registo autobiográfico tem vindo a assumir uma importância crescente na historiografia. Testemunho da ascensão do valor do individualismo, enquanto relação do homem consigo mesmo, este novo objeto de pesquisa, oriundo da vida privada, revela-se precioso para a contextualização e compreensão de acontecimentos ocorridos, também, no âmbito da vida pública. L´écriture du moi, no dizer de Georges Gusdorf, fundador dos estudos sobre a récita pessoal, em meados do século XX, corresponde a uma dimensão identitária ao relatar os factos e os interesses que povoam a trama das pessoas envolvidas e, ao ultrapassar a intimidade e o isolamento, à expressão das singularidades de uma época. Celebra, assim, a relação profunda da memória individual com as práticas ocorridas numa dimensão mais ampla, entrecruzada no tempo e no espaço. O documento que ora se apresenta, a reconstituição escrita na primeira pessoa, de uma vida no seu conjunto, possibilita o conhecimento particularizado da existência, alargado a vários domínios, de uma das figuras mais notáveis do século XIX em Portugal – Júlio Máximo de Oliveira Pimentel, 2.º Visconde de Vila Maior, nascido em Torre de Moncorvo, a 5 de outubro de 1809. Nesta narrativa, traduzida na fonte original em dois volumes de memórias e trinta manuscritos avulsos do “jornal de viagem”, o leitor participa das suas ricas e plurais experiências, através de detalhes que não são, no seu todo e de modo algum, irrelevantes. O Visconde mostra-se, emocionalmente, na descrição dos seus sucessos e fracassos, fortuna e infelicidade. Comprometido com o mundo, confirma, completa ou corrige a história de uma memória de si que circula num vasto universo de referências. A advertência com que abre o 1.º volume de Memórias remete-nos para a intencionalidade da sua escrita: conservar a lembrança. A lembrança é individual e íntima. Fruto da diversidade e multiplicidade de cargos e de funções que o Visconde desenvolve nas áreas da política, da ciência e da cultura de forma brilhante, em especial as duas últimas, a lembrança é, ainda, do domínio do social e do público. E ao dar disso testemunho, permite configurar o pano de fundo do contexto histórico em que se enquadram. As inúmeras acções são descritas passo a passo, num estilo claro e que flui pleno de interesse. Nesse sentido, é-nos possibilitado acompanhar as suas movimentações em episódios marcantes da nossa história, aproximarmo-nos da elite intelectual e política de então, deambular por uma Europa culta e contactar os mais reputados mestres, realidade que lhe é, particularmente, cara. Na procura incessante do conhecimento, cujos benefícios projeta em larga escala, o Visconde de Vila Maior faz jus às palavras de Goethe: o mundo nele, ele no mundo. E é neste objetivo primordial que nos deparamos com o fim de tão destacada personalidade. O Visconde empreende a última viagem de estudo à Europa no ano da sua morte, em 1884, ainda como Reitor da Universidade de Coimbra. O relato correspondente termina, no 2.º volume, em 24 de junho deste ano e surge, também, repetindo-se a sua informação na forma de apontamentos breves, nos manuscritos avulsos. A partir de 25 de julho e até 28, os dados constam, apenas, destes. O registo nos volumes fica inacabado. Júlio Máximo de Oliveira Pimentel, 2.º Visconde de Vila Maior, morre a 20 de outubro de 1884, no Colégio de S. Pedro, a sua residência no Paço das Escolas da Universidade de Coimbra. As Memórias aqui apresentadas, resultado das anotações que vai fazendo ao longo da vida, são um precioso contributo para a história do seu tempo. Resgatá-las, é um gesto de homenagem a este ilustre moncorvense. Prefácio Adília Fernandes

­

Em caso de litígio, o consumidor pode recorrer ao Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Distrito de Coimbra, com sítio em www.centrodearbitragemdecoimbra.com e sede em Av. Fernão Magalhães, Nº. 240, 1º, 3000-172 Coimbra
Este site utiliza cookies. Ao navegar neste site está a consentir a sua utilização. Consulte as condições de utilização e a nossa política de privacidade.
copyright 2016-2019 Palimage | Terra Ocre, Lda. | Portugal | Todos os direitos reservados